Internet 5G promete agilizar o acesso a tecnologias do setor agropecuário

As negociações para implementação da Internet 5G no Brasil avançaram e a estimativa do governo federal é de que até o segundo semestre de 2021, seja realizado o leilão para definir as empresas responsáveis pela distribuição da tecnologia em todo território nacional. 

Esta tecnologia surgiu com a proposta de suceder as gerações tecnológicas anteriores (2G, 3G e 4G), disponibilizando vantagens importantes, como: maior velocidade, tempo mínimo entre envio e resposta da rede, densidade de conexões, além de eficiência energética dos equipamentos. 

Internet 5G

No entanto, você deve estar se perguntando, de que forma a internet 5G vai melhorar o negócio rural? Alguns pontos explicam isso.

O primeiro ponto a ser observado é a melhor qualidade e estabilidade do  sinal, que atualmente ainda é um forte entrave para os produtores rurais. O serviço oferecido na atualidade atende pouco mais da metade dos moradores no campo, conforme informado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em um segundo momento, observamos que o Agro 4.0 ou a quarta Revolução Industrial já é uma realidade no país, mas, o grande desafio do setor produtivo ainda é a infraestrutura para ampliar as possibilidades de tecnologias no campo. 

Assim, para que a agropecuária digital alcance uma performance de excelência é necessária a conexão entre todos os sistemas das cadeias produtivas. E isso será possível a partir dos objetivos propostos pela Internet 5G como: velocidade dos dados, baixa latência (tempo de transferência da informação de um ponto a outro) e melhor aproveitamento no uso da Internet das Coisas. 

Representatividade do setor rural

Os altos índices produtivos e tecnológicos da agropecuária nacional terão melhor desempenho com a conectividade da rede 5G e serão observados diretamente em tecnologias já utilizadas, como por exemplo: sistemas de irrigação, sensores de equipamentos, veículos autônomos, drones e sistemas de identificação de animais. 

Vale lembrar também que, apesar de enfrentar a grave crise sanitária da Covid-19, o agronegócio foi responsável por 26,6% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional em 2020, contra 20,5% no ano anterior (2019). 

De acordo com análise econômica realizada pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o crescimento do índice nacional foi de R$ 7,45 trilhões, dos quais o setor agropecuário teve participação de R$ 2 trilhões.

Neste cenário, vários estudos vêm sendo realizados para analisar o impacto da internet 5G e um deles foi publicado no final de 2020 pela Nokia e Omdia. Intitulado, “Why 5G in Latin America?”, o levantamento estimou que a implantação da rede tecnológica no continente sul-americano deve incrementar o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio em US$ 76,8 bilhões (2020-2035). 

Internet 5G

 

Presente e futuro da internet 5G 

Nos estabelecimentos rurais atuais, o serviço de internet mais utilizado chega por conexão via rádio ou satélite, porém a infraestrutura não é ideal para receber esse tipo de serviço. Desta forma, os produtores que ainda dependem muito do serviço móvel em smartphones para comunicação e gerenciamento dos negócios, contarão com uma série de melhorias possibilitada pelos recursos da tecnologia 5G.

Se na atualidade, o setor rural já utiliza várias tecnologias digitais, com a efetiva implantação da internet 5G, a velocidade e o tempo de conexão terão reduções drásticas. 

O impacto direto acontecerá, por exemplo, nos recursos oferecidos pela Internet das Coisas (IoT), que além de contribuírem para o aumento da produtividade agrícola, reduzirão perdas de produção no campo, no transporte e distribuição dos grãos e cereais. 

O Instituto Interamericano de Cooperacion para la Agricultura (IICA) também apresentou contribuições significativas do 5G em Inovação e Tecnologia na agropecuária, em uma publicação divulgada no ano de 2019. 

Segundo a publicação, a internet 5G também irá disseminar a utilização de: 

  • Big Data (manuseio massivo de dados produtivos);
  • Blockchain (banco de dados que armazena todas informações da propriedade, conferindo maior segurança ao produtor ); e 
  • Aplicativos Móveis (gestão e produção). 

E os avanços não param por aí, pois, os empreendimentos rurais terão acesso a importantes descobertas científicas focadas na edição de genes, nanomateriais, proteínas alternativas baseadas em plantas e biofortificação (cruzamento genético de plantas). 

 

Qual a previsão de implantação da rede 5G no Brasil?

No primeiro trimestre de 2021 foram efetivadas importantes decisões para realização do leilão que definirá os prestadores de serviços de telecomunicações que irão fornecer conexão 5G. 

Em fevereiro, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou o edital do certame e a expectativa do Ministério das Comunicações é de que a licitação aconteça no segundo semestre deste ano. 

As frequências ofertadas são de 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5GHz e 26 GHz, a fim de que as prestadoras tenham condições de expandir as redes para todo o país. Na proposta ficou estabelecido ainda, um compromisso de investimentos com a cobertura. 

Dessa forma, as empresas vencedoras terão que atender com tecnologia 4G, áreas pouco ou não servidas por sinal de internet.

Essa exigência do governo federal em relação aos prestadores de serviços tem o objetivo de resolver o gargalo observado em regiões como o Norte do país que possui os menores índices de acesso à internet. Com o avanço da rede, a meta é atender cerca de 10 milhões de pessoas, além de abranger 48 mil km de rodovias federais. 

Experimentos iniciais em 5G

Apesar da implantação da internet 5G ainda estar em fase inicial, algumas iniciativas públicas e privadas avançam no desenvolvimento das redes de longo alcance. Na primeira quinzena de maio, a fazenda modelo do Instituto Mato-grossense de Algodão (IMAMT), em Rondonópolis (MT) inaugurou a primeira antena em área rural.

A instalação ficou a cargo das empresas Nokia, Tim em parceria com a  ConectarAgro, a fim de possibilitar o sinal de internet em alta velocidade, a partir de uma transmissão gerada pela estrutura, na modalidade 5G standalone (conhecida como 5G puro). 

Por intermédio do sinal será possível que um drone sobrevoe a plantação, registrando e transmitindo informações importantes sobre a lavoura. Os dados coletados serão fundamentais para identificação das condições de crescimento das plantas ou ocorrências de pragas, ervas daninhas e falhas nos talhões.

O Ministério das Comunicações reforçou que a instalação inaugurada no município mato-grossense é parte de um projeto-piloto que contemplará 20 localidades com internet 4G, e posteriormente, com a tecnologia 5G. Do total das áreas beneficiadas, sete são rurais: Padef (DF), Londrina (PR), Uberaba (MG), Ponta Porã (MS), Rio Verde (GO), Petrolina (PE) e Bebedouro (SP).

O que esperar para o futuro próximo?

Com o avanço nas etapas do leilão da internet 5G, as fornecedoras de infraestrutura e as operadoras de serviços de telecom caminham em ritmo acelerado para apresentarem propostas que atendam às exigências do edital governamental e, em contrapartida, possibilitem lucros efetivos.

As questões que necessitam de maior análise e acordos dizem respeito a infraestrutura, como o direito de passagem para redes de fibras óticas e custeio das estações de transmissão. Essa preocupação é razoável, já que as redes 5G necessitam de um número expressivamente maior de transmissores e receptores, por que muitas vezes a computação está na borda. Outros debates devem ter destaque como as tecnologias aplicáveis, fornecedores, tempo de implantação e mão de obra capacitada. 

Como vimos, essa tecnologia apresenta possibilidades inovadoras em pesquisas, produtos e serviços a serem desenvolvidos ou aprimorados. Outro fator decisivo para o crescimento do setor será o aumento nas oportunidades de emprego e renda, para profissionais qualificados no manuseio e gestão dos novos implementos tecnológicos.

Com a tecnologia, os profissionais que estiverem qualificados terão mais oportunidades de atuação e desenvolvimento de soluções para o setor produtivo, dentro e fora das propriedades rurais. 

Uma dica que deve ficar no radar dos produtores rurais são as startups focadas no agronegócio nacional. O levantamento Radar Agtech Brasil (2020/2021), idealizado pela Embrapa, SP Ventures e Homo Ludens Research and Consulting, com apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirma o funcionamento de 1.574 empresas no setor produtivo.

O número de agtechs (startups atuando na agropecuária) cresceu 40%, em relação à primeira pesquisa, realizada em 2019. Em termos quantitativos, o estado de São Paulo manteve a liderança com 48% das empresas em atividade e a boa notícia foi identificada na região Nordeste, com crescimento de 86% no número de novos empreendedores. 

 

E você, produtor rural, qual sua expectativa sobre a chegada da internet 5G na sua propriedade?

1 Comentário

  1. Muito importante para a agricultura mas, que os benefícios alcance os pequenos agricultores e a agricultura familiar.
    Também se faz necessário ter uma boa infraestrutura com adventos de boas escolas e faculdades para manter a população rural na sua origem.
    Governo federal,estadual e municipal tem que se alinharem neste sentido,porque só com estas medidas,teremos uma agriculturs mais pujante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *