Conheça 7 benefícios que a Internet 5G rural pode trazer a sua propriedade

Internet 5G

Um dos setores econômicos mais otimistas com a implantação da internet 5G é o agronegócio brasileiro. Responsável por 21% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, produtores e empresas compreendem a importância da tecnologia de conexão nos processos de todas as cadeias produtivas.

Os avanços proporcionados pela Agricultura digital, por meio da utilização de drones, sensores e softwares para coleta e armazenamento de dados técnicos e financeiros podem ser observados nos números do Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP). Em 2020 foi confirmado um crescimento real de 17%, sendo que o segundo melhor índice aconteceu em 2015.

Com o funcionamento da internet 5G, as propriedades rurais alcançarão um novo patamar tecnológico que é a ampliação do acesso a serviços como máquinas autônomas, robótica, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Além disso, proporcionará a inclusão e sustentabilidade econômica, social e ambiental da população que vive no campo.

Assim, com a finalidade de garantir que o alcance da internet chegue em todas as regiões brasileiras, o governo federal elencou uma série de exigências no edital do leilão 5G, previsto para acontecer no segundo semestre.

A informação divulgada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) é de que as empresas vencedoras deverão firmar compromisso de contemplar localidades que ainda não têm acesso à rede, com o propósito de ampliar a cobertura em rodovias federais. 

Visualizando benefícios na prática

Para ajudar o produtor rural a identificar os benefícios proporcionados pela internet 5G é bastante importante elencar algumas tecnologias que serão impulsionadas pela rede. Confira:

1. Big Data

Pode ser definido como um sistema de banco de dados que possibilita o armazenamento de um alto número de informações da atividade rural. A tecnologia envolvida permite a melhoria dos processos de tomadas de decisões, com base em informações mais precisas e com maior quantidade de indicadores.

Na prática, o gestor consegue alinhar os calendários de plantio, por meio de informações sobre precipitações de chuvas, ou ainda, verificar a melhor época de semeadura. Também auxilia na verificação de manejos em cultivos mais vulneráveis a determinada estação climática.

2. Computação em Nuvem

Com essa tecnologia, o produtor rural consegue armazenar de forma remota, arquivos de texto, planilhas e imagens. A conectividade faz com que os dados sejam acessados em diferentes equipamentos (notebook e smartphones) quando o usuário precisar.

Outra condição interessante é que a computação em nuvem não exige equipamentos potentes, já que as tarefas são executadas em servidores remotos próximo do produtor rural. O serviço é ideal para uma equipe de trabalho que precisa compartilhar e atualizar informações do processo produtivo. 

Internet 5G

3. Drones

O equipamento foi um dos primeiros recursos utilizados nas lavouras brasileiras e terá maior alcance com a internet 5G. Isso porque as funcionalidades cresceram exponencialmente e oferecem suporte a todas as cadeias produtivas.

No caso da agropecuária, um drone com câmera de boa resolução proporciona o monitoramento de lavouras e pastagens, identificando com precisão a existência de plantas invasoras, pragas e doenças.

A diversidade de informações coletadas pelo equipamento é ampla, funcionando como os olhos do produtor rural, que pode estar em qualquer lugar do mundo,  auxiliando na contagem de animais, segurança da propriedade, detecção e combate a incêndios, localização de fontes de água e na abertura de vias de acesso.

4. Internet das Coisas (IoT)

Possibilita a conectividade entre dispositivos, por meio de redes sem fio, colaborando com a troca de informações em tempo real e de forma constante.

Na agricultura, já existem máquinas colhedoras robotizadas que se utilizam de sensores para coletar dados técnicos da produção. Esses equipamentos enviam as informações de forma on-line para uma central de processamento, permitindo assim, ajustes e novos direcionamentos para a lavoura. 

5. Inteligência Artificial (IA)

É responsável pelo desenvolvimento de softwares que simulam o raciocínio humano e tem objetivo de automatizar processos que dependem de decisões baseadas em variáveis.

A utilização da tecnologia na agricultura pode ser feita por meio da coleta de imagens dos drones. Por meio de programas de computador, os registros passam por uma análise que pode identificar plantas doentes, ataques de pragas, ervas daninhas e indicar soluções para os problemas.

 

6. M2M

Trata-se da comunicação entre máquinas (Machine to Machine) e por meio da internet 5G, permite a transferência de informações entre equipamentos e as ações são executadas de forma autônoma. Os benefícios são observados desde o planejamento das atividades até a execução do trabalho rural.

Para se ter uma ideia do processo, pense que essa conexão pode ser instalada em um trator, possibilitando o acompanhamento real da localização das máquinas e a velocidade em que estão trabalhando.

7. Robótica

Várias iniciativas já estão em utilização na área rural, mas, com a otimização da internet 5G, os equipamentos autônomos serão mais assertivos nas atividades rurais. Entre os mais aguardados estão os maquinários (tratores e colheitadeiras) controlados remotamente.

Um exemplo que demonstra bons resultados é o robô ordenhadeira, utilizado na pecuária de leite. A tecnologia permite que, por meio de um braço robótico, o equipamento seja encaixado nas tetas das vacas, de forma que a extração de leite seja realizada sem intervenção humana.

São muitas notícias boas, não é mesmo? Por isso, a iniciativa pública e privada está unindo esforços para que a instalação da internet 5G inicie em 2022. Para o campo isso demorará um pouco mais, por isso a necessidade de já adotar usar tecnologias como o 4G, de modo a aumentar a produtividade e a competitividade. 

 

Desafios do setor para implantação da internet 5G

Um estudo realizado pela United Nations Global Compact (UNGC) estima que o mercado global da agricultura digital deve faturar US$ 15 bilhões em 2021 e 80% das empresas esperam ter vantagens competitivas no setor.

Nesse sentido, será preciso um grande investimento na ampliação da infraestrutura, considerando que a rede 5G necessita de dez vezes mais antenas que a 4G. O Ministério das Comunicação prevê a instalação de 44 mil antenas até 2029 e para chamar atenção sobre a importância da estrutura lançou o movimento ‘Antene-se’, na primeira semana de maio. 

Enquanto a realidade do acesso ainda não se concretiza, iniciativas privadas trabalham para ampliar o acesso à internet em propriedades rurais, por meio de satélites, rede de antenas e tecnologias bluetooth. Um exemplo já disponível no mercado é realizado pela ConectarAgro que oferece soluções para conectividade no campo, por intermédio de tecnologias de torres, rádios e antenas. 

Fazendo a lição de casa

A pesquisa mais recente da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA, 2017), destacou que 61% dos produtores rurais entrevistados informaram que têm smartphone e utilizam a internet para realizar cotações que vão de equipamentos agrícolas até compra de animais.

No entanto, é válido reforçar que a efetiva utilização da internet 5G abrirá um leque de oportunidades que demandará conhecimento e domínio tecnológico para os empresários rurais e a equipe de trabalho.  

Mais uma vez o ambiente virtual pode contribuir com a preparação do produtor por oferecer um vasto leque de opções em treinamento, formação e especialização. Um bom exemplo é oferecido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) que disponibiliza, na modalidade EAD, cursos gratuitos em Agricultura Digital e de Precisão.

Mas o que pode ser feito até a implementação dessas novas tecnologias? Inicialmente é necessário elaborar um roteiro com o máximo de informações sobre a atividade que desenvolve na sua propriedade. Em seguida, procure responder às seguintes questões:

– Qual tecnologia digital teria melhor contribuição para sua cultura/criação?

– Quais os pontos positivos e negativos da implantação?

– Qual a expectativa de ganho na produção?

– Quais as principais dificuldades para implantar essa tecnologia?

– Atualmente é possível separar recursos financeiros para realizar esse investimento?

As informações divulgadas pelo setor comprovam que o poder público e privado estão unindo esforços para acelerar a implantação da internet no campo.

 

E você, produtor, está preparado para essa nova revolução tecnológica?

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.